sexta-feira, 11 de março de 2011

CSKA Moscovo 0-1 F.C.Porto . A um pé dos Quartos.



assistência: --- espectadores.

Árbitro: Robert Schörgenhofer (Aústria), Assistentes: Mario Strudl e Alain Hoxha; Quarto árbitro: Thomas Gangl; Assistentes adicionais: Bernhard Brugger e Gerhard Grobelnik.

CSKA MOSCOVO: Akinfeev; Nababkin, Berezutski, Ignaschevich e Schennikov; Honda, Mamaev, Semberas e Dzagoev; Doumbia e Vágner Love.
Substituições: Honda por Tosic (75m) e Doumbia por Necid (79m).
Não utilizados: Chepchugov, Berezutski, Aldonin, Rahimic e Oliseh.
Treinador: Leonid Slutski.

FC PORTO: Helton; Sapunaru, Rolando, Otamendi e Fucile; Fernando, Guarín e João Moutinho; Hulk, Falcao e James.
Substituições: James por Varela (57m), Hulk por Cristian Rodríguez (73m) e Guarín por Souza (81m).
Não utilizados: Beto, Belluschi, Sereno e Rúben Micael.
Treinador: André Villas-Boas.

Marcador: Guarín (70m).

Disciplina: cartão amarelo para Semberas (19m), Otamendi (63m), Vágner Love (66m).

Um golo solitário de Freddy Guarín, aos 69 minutos, deu esta tarde a vitória ao FC Porto sobre o CSKA Moscovo, na primeira mão dos oitavos-de-final da Liga Europa, disputado na fria capital russa.

O colombiano - uma surpresa de André Villas-Boas no onze, juntamente com James - revelou-se uma aposta ganha do treinador do FC Porto, dando força ao meio-campo (no lugar de Belluschi) para o duro embate com a formação moscovita.

Os dragões até entraram bem no encontro, mas os moscovitas rapidamente ganharam algum ascendente e aproveitaram várias desatenções da defesa portista. O guardião Helton negou o golo a Doumbia (1' e 22') e Honda (15'), mas viu mesmo a bola entrar na baliza aos 37', por intermédio de Wagner Love, com o árbitro a declarar fora-de-jogo de Doumbia, que havia feito a assistência.

No final do primeiro tempo, Guarín dá um sinal de vida do FC Porto, ao obrigar Akinfeev a boa defesa, resistindo assim o nulo até ao apito para intervalo.

E se a grande ameaça portista tinha sido protagonizada por Guarín, foi mesmo o médio colombiano a concretizar aos 69, com um excelente remate, sem hipótese para o guarda-redes russo. Curiosamente, o golo surgiu depois do CSKA Moscovo ter estado várias vezes perto de inaugurar o marcador.



A resistência portista foi premiada por Guarín e 'virou' o jogo, uma vez que depois foram os dragões a estarem sempre mais perto do segundo golo. Não se veio a concretizar, mas o 1-0 final é o suficiente para deixar o FC Porto com um pé nos quartos-de-final da Liga Europa.

DECLARAÇÕES NO FINAL DA PARTIDA

André Villas-Boas: «Vitória para o FC Porto, mas que não terá significado se no fim não juntarmos o troféu. Foi um jogo com duas partes. Na primeira, o CSKA criou algumas oportunidades, mas na segunda controlamos completamente e críamos algumas oportunidades e fizemos o golo. No relvado sintético, a bola comporta-se de forma diferente e exige um esforço diferente do ponto de vista muscular, mais penalizador para a face posterior dos músculos das pernas. Mantivemos o bom nível e fizemos uma partida de grande concentração e entrega, a segunda parte foi totalmente nossa. A eliminatória não está decidida, com o Sevilha passou-se isto e depois perdemos em casa e podíamos ter sido eliminados. É importante anular os pontos fortes do CSKA, como as saídas rápidas para o ataque, chegar primeiro ao golo e passaremos a eliminatória.»

Guarín: «O golo foi uma jogada rápida em que consegui ter espaço para rematar. Não tenho dúvidas do que posso dar a este clube e o técnico e os companheiros têm ajudado. São dois jogos e acreditamos e confiamos confirmar este resultado no Dragão. Esperamos dar alegria aos adeptos e seguir em frente».

Helton: «Os adversários querem sempre complicar-nos a vida, não estamos habituados ao sintético e sentimos dificuldades no início do jogo. Depois tranquilizamo-nos mas ainda está tudo em aberto, mas temos um pouco mais de serenidade para continuar a trabalhar».

7 comentários:

Anónimo disse...

Boas Portistas.
Que Jogo.
Tivemos que sofrer muito na 1ª parte. A forte entrada do CSKA , e um relvado pouco proprio para futebol , um sintetico que não é dos melhores. Tivemos um grande Helton e todo um trabalho de equipa na tentativa de não sofrer estragos nessa fase. Na 2ª parte tudo foi diferente , controlo total , belas jogadas , um golo fantastico com uma bela jogada , e o FCPorto a fazer correr um adversario desgastado . E tivemos também mais uma vez um treinador activo e a mudar de forma exemplar na equipa. É claro que a eliminatória não está resolvida , por acaso na minha opinião é cá que a equipa russa pode mostrar o seu melhor futebol , muito fortes nas transições , uma frente de ataque com belos jogadores , sobretudo Vagner Love e esse Doumbia que nos criou muitas dificuldades. E ainda um relvado fantastico como o do dragão que também favorece bem o futebol do adversário. Grande Guarin, grande golo.
Força Portistas , temos que continuar fortes para sermos cada vez melhores. FCPorto Vence por nós SEMPRE!

Anónimo disse...

Na 1a parte apenas o Helton esteve à altura, muito sofrimento mesmo. Mas na 2a tudo mudou, e penso que quase todos os jogadores subiram de rendimento, excepto Hulk (mau jogo, pode não parecer mas o incrível é humano).
Foram só a mim que irritaram as constantes focalizações feitas pela realização ao treinador do cska?com jogadas a decorrer..que raiva me davam..

PORTO SEMPRE

Ana Moreira

Anónimo disse...

Tivemos um Helton muito atento e muito seguro como tem sido nestes ultimos jogos.
Toda a equipa(menos Helton)teve dificuldade em se adaptar ao terreno de jogo,demos 45 minutos de control de jogo ao cska ,mas nos segundos 45 minutos ,fomos Porto ,tal como no titulo soubemos sofrer.

Guarin esta a crescer e isso é dedo do mister,agora temos uma segunda mão e temos que encher o Dragão...


Vamos para cima deles Porto!
(parabéns Braga

Tiago Araújo disse...

Boas,
Uma grande vitória do nosso FCPorto, que nos faz sonhar bem alto!!!!

PS - Votem sff na sondagem que está lá em cima do blogue do lado direito.

Revolta FCP disse...

Partimos para esta partida, a meu ver, com um favoritismo "falso", desfasado da realidade do jogo e das equipas envolvidas. De um lado um Porto motivado, com uma mão no título nacional e a espreitar a glória europeia de voltar a uma final da UEFA, com o plantel praticamente completo (salvo a excepção do A. Pereira) e até com as estatísticas do seu lado. Quem lesse apenas até aqui pensava que o Porto tinha obrigação de ganhar por 15-0 (á la adepto da mouraria...).

Mas do outro lado está uma equipa fresca (de ínicio de época), dotada de jogadores com talento e velocidade e acima de tudo habituada ás condições do estádio em Moscovo (frio e sintético). Para além disso, tem um sistema de futebol assente em estratégias e métodos simples (para mim são as piores). Futebol directo assente na rapidez dos avançados.

Ora ontem eu ia confiante que o Porto iria saber de tudo isto que eu referi atrás... mas ao que parece não assimilaram isso. Wagner Love aparecia constantemente nas costas de Fernando e aproveitava um espaço entre a linha de meio campo e da defesa, que o Porto teimava em abrir durante o 1º Tempo. Destes erros consecutivos era possível ao brasileiro abrir jogo para o rapidissimo Costa-Marfinense poder aparecer na cara do Helton... e valeu-nos o capitão ontem.

Até ao intervalo, Rolando e Otamendi foram incapazes (mais Rolando pela sua velocidade, uma vez que Otamendi é mais pesado por natureza) de subir as linhas e impedir estes movimentos do ataque russo.

Na segunda parte, e acredito que por acção de AVB (que deve ter visto o mesmo que eu) o Porto subiu e colou as suas linhas deixando de abrir espaço para os russos. Outra coisa que começou a funcionar foi o alternar entre Moutinho e Guarín no suporte ao ataque, funcionando num falso 4-3-3. Foi assim que se chegou ao Golo.

Nota positiva para o trabalho de Souza que entrou bem na partida, assumindo um papel no "carrossel" que era necessário para controlar a bola.

Não sei se por adaptação ao relvado, se da sede de voltar a marcar, Hulk foi novamente um menos numa equipa que vai precisar mais do brasileiro.

Agora é preciso atenção, cuidados redobrados para a segunda mão, tendo em conta que o relvado já não atrapalha tanto e que já conhecemos mais do adversário.

Dragus Invictus disse...

Bom dia,

Mostramos mais uma vez que perante qualquer adversidade, temos capacidade de adaptação e conseguimos vencer.

Ontem num relvado sintético, Hulk e James não se adaptaram, e na primeira parte pouco jogo ofensivo produzimos.

Limitamos-nos a tentar controlar o excelente tridente ofensivo russo, que nos causou imensos calafrios.

Na segunda parte a partir dos 60 minutos, e depois das alterações de Villas Boas, dominamos o jogo, chegamos à vantagem, e podíamos mesmo ter sido "gulosos" e ter lutado pelo 2 a 0, mas a equipa não quis arriscar, pois o adversário, face à qualidade dos elementos que entraram Nedic e Tosic, também poderia marcar e colocar em risco o excelente resultado.

Valeu Helton, sempre seguro a transmitir tranquilidade a uma defesa que esteve num excelente nível. Grande exibição de Otamendi, Rolando, Sapunaru e Fucile muito bem. No meio campo Fernando e Moutinho estiveram ao seu nível. Varela entrou muito bem no jogo, tal como Cebola e Guarin foi uma aposta ganha de Villas Boas.

Agora no Dragão temos de ser mais eficazes do que fomos diante do Sevilha, para marcarmos e não andar na corda bamba até final do jogo.
Esta equipa russa provou ontem que pela qualidade dos seus atacantes, pode marcar em qualquer campo.

Nós somos superiores no computo geral e temos uma vantagem que nos permite chegar aos quartos de final.

Bravos os nossos adeptos que se deslocaram a Moscovo apara apoiar a equipa.

Abraço

Paulo

http://pronunciadodragao.blogspot.com/

P. Ungaro disse...

Mais um passo no brilhante caminho que temos percorrido este ano.
Com maior ou menor dificuldade vamos subindo degrau a degrau sem ajuda de ninguem, ha que dar merito a AVB e á equipa que funciona como um todo.

Um abraço

http://fcportonoticias-dodragao.blogspot.com/