quinta-feira, 12 de março de 2009

Isto sim, já estámos nos Quartos de Final

assistência: 46.509 espectadores.

árbitros: Pieter Vink (Holanda), Arie Brink e Wilco Lobbert; Hendrikus Nijhuis.

FC PORTO: Helton; Sapunaru, Rolando, Bruno Alves e Cissokho; Lucho «cap», Fernando e Raul Meireles; Lisandro, Hulk e Rodríguez.
Substituições: Sapunaru por Tomás Costa (83m), Hulk por Mariano (89m) e Lisandro por Farías (90m).
Não utilizados: Nuno, Stepanov, Sektioui e Andrés Madrid.
Treinador: Jesualdo Ferreira.

ATLÉTICO DE MADRID: Leo Franco; Perea, Pablo Ibáñez, Ujfalusi e Antonio López; Maxi Rodríguez «cap», Paulo Assunção, Raul Garcia e Simão; Pongolle e Aguero.
Substituições: Maxi Rodríguez por Diego Forlán (54m), Raúl García por Maniche (72m) e Pongolle por De las Cuevas (79m).
Não utilizados: Coupet, Pernía, Heitinga e Camacho.
Treinador: Abel Resino.

disciplina: cartão amarelo a Rodríguez (25m), Hulk (67m), Perea (71m), Ujfalusi (75m).


O Atlético de Madrid chegava à cidade invicta em desvantagem. Apesar disso, o optimismo dos adeptos Madrilenos era notório nas reportagens televisivas, até porque nos quinze dias que entremearam as duas mãos dos oitavos-de-final da Champions League, os colchoneros haviam batido o pé aos dois grandes colossos do seu campeonato caseiro, obtendo bons resultados perante o Barcelona e Real Madrid. Pelo que se antevia um Atlético de Madrid diferente do que disputara a primeira mão em casa contra o FC Porto. Era um sério aviso à navegação. Viva o FCPORTO!

2 comentários:

dragao vila pouca disse...

O sonho continua...

Com dificuldades, com sofrimento, mas com uma justiça, que nem os nossos piores inimigos, ousarão, questionar. Fomos melhores, muito melhores, no conjunto das duas-mãos e só um super Leo Franco, evitou hoje, tal como em Madrid, que o F.C.Porto ganhasse...tranquilamente.
Depois de uma primeira-parte pouco brilhante, em que apenas controlou e deixou a bola ao adversário, que nunca criou perigo, o F.C.Porto arrancou para uma segunda metade de grande qualidade e superioridade, que por só por acaso, não lhe deu a vitória que merecia e que nos teria poupado a um sofrimento, que durou até ao último minuto.

É preciso recordar, que para aqui chegarmos foi preciso passar por muito, estivemos caídos e até fomos maltratados - após o Arsenal em Londres -, mas com a alma, raça e espírito do Dragão, levantamo-nos, demos a volta por cima e estamos a fazer a melhor campanha, depois da conquista histórica, da C.League de 2004.
Uma pergunta: alguém pode chegar aos oito melhores da Europa, com um plantel fraco? Não, não pode! Como disse há meses atrás, não temos o melhor plantel do Mundo, mas também não é tão fraco, como o pintam alguns.
Agora venha o Diabo e escolha, na certeza porém, vão ter de dar tudo, para passarem por cima de nós.
Não posso esconder a alegria por este feito. Mais uma vez respondemos dentro do campo, às faltas de respeito, às insinuações torpes e ordinárias, às campanhas dos medíocres e invejosos, dizendo alto e em bom som, que somos de longe, o MELHOR CLUBE PORTUGUÊS.

Um abraço

Ultras FCP disse...

Cada dia que passa, eu mais me orgulho desta equipa do FC Porto, que apesar de passar por algumas fases menos boas, encontra-se actualmente com uma postura em campo mais madura, mais segura, com mais precisão, com jogadas construtivas e passes de bola excelentes, com uma visão de jogo extraordinária, muito organizada, é uma equipa feliz em campo sem dúvida dá gosto ver uma equipa assim a jogar.

http://ultrasfcportomatosinhos.blogspot.com