quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

Nacional 2-1 F.C.Porto . Este resultado não deixa saudades a ninguém


assistência: 2.020 espectadores.

árbitros: Lucílio Baptista (AF Setúbal), Venâncio Tomé e Mário Dionísio; Elmano Santos.

NACIONAL: Bracalli; Patacas «cap.», Maicon, Felipe Lopes e Nuno Pinto; Luis Alberto, Edson Sitta, Alonso e Ruben Micael; Mateus e Nenê.
Substituições: Alonso por Miguel Fidalgo (46m), Edson Sitta por Fabiano Oliveira (66m) e Ruben Micael por Bruno Amaro (84m).
Não utilizados: Douglas; Cléber, Juninho e Halliche.
Treinador: Manuel Machado.

FC PORTO: Nuno; Sapunaru, Stepanov, Pedro Emanuel «cap.» e Benítez; Bolatti, Tomás Costa e Guarin; Mariano, Farías e Candeias.
Substituições: Candeias por Rabiola (70m) e Sapunaru por Diogo Viana (78m).
Não utilizados: Ventura; Ivo Pinto, Rafhael, Josué e Sérgio Oliveira.
Treinador: Jesualdo Ferreira.

disciplina: cartão amarelo para Alonso (39m), Luis Alberto (39m), Stepanov (39m), Benítez (42m) e Sapunaru (52m).

golos: Ruben Micael (23m), Sapunaru (36m) e Miguel Fidalgo (84m).
Sim, eu sei que isto deveria ser uma crónica sobre o Nacional-Porto. Mas, em português, vernacular, eu quero mesmo é que o jogo se ****. Competições menores, ainda por cima não levadas a sério por quem nelas entra, não me despertam a paixão assolapada que deveriam. Ainda para mais, nem me admira muito se o vencedor já estiver decidido. Mas, quanto às incidências do jogo, já lá vamos…
Ninguém, que gosta do desporto-rei em geral, e do Porto em particular pode andar com as pulsações cardíacas normalizadas. Seja pela frustração do empate contra o autocarro vindo da Trofa, pelo destempero da perda da liderança, que nos soube a pouco, ou pelo silêncio cúmplice e branqueamento encapotado que os media, sempre arvorados em arautos da regeneração do futebol luso, quando lhes convêm, têm praticado, depois do escândalo da Luz, no roubo descarado do Braga.
Alguém, com sentido de humor, afirmou que o Braga teve azar. Foi apanhado na onda de criminalidade que tem invadido o País. Outro, mais dado ao domínio da ironia, tratando-a por tu, proferiu com graça que o Braga teve sorte. Apesar de roubado descaradamente, ainda ficou com o autocarro…e os pneus.
Felizmente, apesar da amizade feita de interesses comuns, maquinadas em negociatas, o Braga provou ter voz. E que não lhes doa, carago. Comecemos por Mesquita Machado. Sem eufemismos. Tratando os bois pelo nome. “Foi um assalto à mão armada, um roubo, e os roubos têm que ser investigados”. Aqui sorri. Investigados, meu bom autarca. Por quem? Pela paladina da Justiça, aquela dos olhos pintados em tons góticos? Santa ingenuidade…
Mas Mesquita Machado foi mais letal que Renteria e Meyong juntos. “Os erros foram premeditados”. Se isto fosse num Estádio, fazia a onda. O homem merecia. E ainda mais depois de, arvorado já no papel de líder da Assembleia Geral da FPF, ter lançado uma suspeita de enorme gravidade. “Existiram influências exteriores para que fosse este árbitro a apitar”. E pensava eu que éramos um País de brandos costumes. Não somos. Ele prova-o. Somos sim um País terceiro-mundista, corrupto, onde o poder e a justiça são ministrados de forma parcial. Regredimos no tempo. Voltamos às saudosas décadas [pelo menos para uma parte da população deste cantinho], onde o campeão era encontrado por decreto.
Tudo começou [e nunca é demais louvar a coragem] com Jorge Jesus. Ao contrário do colega de profissão, sentado no banco do Guimarães, que sorria alarvemente enquanto lhe palmavam um penalty, o treinador bracarense mostrou que os tem no sítio. “Não vencemos porque o árbitro não quis”. Curto e grosso. Para bom entendedor…

Noutro quadrante, o torpor deu lugar à indignação. Esqueceram-se os “project finance”, as luvas de pelica, as boas maneiras à mesa, e a indignação encontrou eco. Paulo Abreu apropriou-se [mas é um plágio perdoável] da máxima de Pedroto. “Roubo de Igreja” e um “comparado com a arbitragem de Pedro Henriques, isto foi obra de um profissional”. Já chegava para colocar muita gente com as orelhas a arder. Mas ele finalizou, qual Liedson de fato e gravata. “Mais levado ao colo deve ser difícil”. Toma. Embrulha. Gostei particularmente de uma frase, proferida em tons apoplécticos. “Os investimentos na arbitragem e em alguma comunicação social começam a dar frutos”. Lapidar. Quando as comadres se zangam, o verniz estala.
E as virgens ofendidas, que escreveram ressentidas após o Benfica-Nacional, têm estado estranhamente desaparecidas. Sempre prontos, naquele espírito corporativo enjoativo, a apaparicarem os responsáveis encarnados, servindo-lhes de respaldo para as grosserias e tonterias debitadas na comunicação social, foram o veículo apropriado para a coacção vergonhosa praticada, durante uma semana, de forma cirúrgica. Entrevistas à nulidade que vegeta no plantel das águias, despudoradamente usando o apelido de um grande avançado portista, ou ao pomposo director-desportivo, tudo serviu para inflamar uma fogueira que arde sempre em lume brando.
Espantosamente, o resultado teve efeitos quase imediatos. Se em Guimarães, para essa prova congeminada por Hermínio Loureiro, a gatunagem foi permitida, de forma submissa [o que umas promessas de jogadores não fazem, pela boa vontade], permitindo que os da casa fossem descaradamente prejudicados, mas sem qualquer intenção de provocar ondas de indignação, o jogo caseiro frente aos arsenalistas fez o País desportivo ficar perplexo. Alguns, beliscando-se, julgavam ter retrocedido, por artes mágicas, no tempo, quando a monopolização de títulos em Lisboa fazia a delícia de muitos. Mas não. A estratégia, congeminada laboriosamente, tem histórico. Começou à muito. Lembram-se da Pinhão jornalista, do marido realizador e da vaca escritora? Pois...
E agora é que é. Vou escrever sobre futebol. Daquele que se tenta vencer dentro das quatro linhas. Desde logo, uma dificuldade enorme. “Mas onde raio é que anda a bola?”, apetece perguntar, quando o nevoeiro se torna no actor principal de uma partida toda ela feita por secundários.
No último estádio onde foi feliz, o Porto apresentou-se de cara renovada. Aliás, como esperado, o perfil azul e branco sofreu uma transformação brutal. Com Nuno na guarda das redes e Pedro Emanuel o rosto da experiência, imperial no centro da defesa, o meio-campo parecia uma congeminação sul-americana, com os agora renegados Guarin, Bolatti e Tomás Costa a serem os elementos pretensamente dinamizadores de todo o futebol do Dragão.
Na frente, confesso, um trio de arrepiar os cabelos. Candeias, cada vez menos interventivo, Farías, cujo nome do meio deveria ser sinónimo de passividade e o fetiche-mor de Jesualdo, Mariano Gonzalez.
Como nem a feijões se gosta de perder, e apesar do jogo se ressentir claramente das adversas condições de visibilidade, coube aos portistas a primeira grande oportunidade de golo. Ironicamente, pela cabeça de um defesa, Sapunaru de seu nome, correspondendo a um belo cruzamento de Mariano. Passado o susto, os madeirenses pressionaram, colocando a descoberto algumas debilidades estruturais da defesa azul e branca.
O golo inaugural, pese a oposição encarniçada de Nuno, surgiu ao 3º remate consecutivo dos avançados nacionalistas. Numa equipa que de campeã apenas ostentava o nome, a ligação entre sectores era praticamente nula, sobressaindo apenas nesta fase o labor de Guarin, na dupla missão de apoiar os homens da frente, mantendo ainda tarefas de apoio defensivo, como demonstrou ao evitar que, aos 30 minutos, o Nacional ampliasse a vantagem.
Fosse pelo nevoeiro, ou por outro motivo qualquer, ninguém ainda se tinha apercebido que existia árbitro no jogo. E que juiz de campo. Lucílio de nome próprio. Baptista de apelido e Calabote de alcunha carinhosa, tantos têm sido os dislates da patética personagem, sempre que se atravessa no nosso caminho. E, para figurar no currículo, nada como nova medalha no peito. Penalty escamoteado aos 31 minutos, quando Mariano é derrubado por Maicon, dentro da área caseira.
O Porto, no entanto, num assomo de dignidade, empatou a contenda. Alonso perde displicente uma bola junto da sua área e Sapunaru fez o que lhe competia. Fuzilou para o empate.
A segunda parte trouxe mais do mesmo, com o cinzentismo do nevoeiro a protagonizar um duelo hercúleo com a vontade indómita de quem procurava jogar, em condições quase surreais. Sem qualquer alteração na dinâmica ofensiva do encontro, sempre com o sinal mais a ser protagonizado pelo Nacional, a qualidade e intensidade decaíram bastante.
Jesualdo tentou alterar o rumo dos acontecimentos. Efectuou a dupla substituição, responsável pelo golo da vitória na primeira jornada. Rabiola e Diogo Viana, por troca com Candeias e Sapunaru. Com a saída do lateral romeno, Tomás Costa abandonou o centro do terreno, ficando como proprietário da lateral direita. A irreverência da idade, desta feita, nada acrescentou de positivo ao futebol dos portistas. E, na fase mais sensaborona do desafio, um golo algo fortuito, no final da partida, ditou a derrota, sempre pesarosa, do FCP.
Melhor do Porto: Quem? Se eu não conseguia, na maior parte do tempo, ver o que quer que seja, como eleger alguém merecedor de encómios?. Pareceu-me que Nuno esteve seguro, tendo realizado uma grande defesa a remate de cabeça, após o 2-1. Sapunaru, apesar do desnorte defensivo, em alguns momentos da 1ª metade, esteve expedito, aparecendo duas vezes em zona de finalização. Quanto ao resto, apenas e só o lamento de que um jogo, nestas condições, tenha conseguido realizar-se, num claro desrespeito para com quem faz mover esta indústria: os adeptos!
Arbitragem: É bom saber que podemos contar com as coisas imutáveis da vida. O amor incondicional dos progenitores, as asneiras da adolescência, os cabelos brancos, prenúncio da passagem da idade, e Lucílio Baptista, com os seus erros fervorosos contra o que traja azul e branco. Nada a fazer. Apenas e só aceitar, com o nosso beneplácito, a incompetência e falta de seriedade do árbitro setubalense. Pode ser que um dia, num dos acasos em que o Destino é fértil, alguém se esqueça de travar o carro, quando ele atravessar uma passadeira. Ou um raio lhe caia, em pleno jogo, na cabeça. Ou…

6 comentários:

dragao vila pouca disse...

Não vi nem ouvi, mas alguém viu?
Um abraço

Portista Forever disse...

Eu vi assim umas sombras a correr no meio do nevoeiro

Tiago Araújo disse...

Uma roubalheira, para mim foi.

Um abraço

Anónimo disse...

Um roubalheira é o que foi.

Dragão penafiel disse...

Cuidado com as carteiras só vejo gatunos!!!!!

Isto está lindo.

Mas assim está uma maravilha .....

Abraço

José Campos disse...

Ir ao estádio e não ver nada. O nevoeiro desvirtuou por completo um espectáculo destinado às pessoas. Lucílio Baptista deveria ter suspendido a partida. houve alturas em que não se viu um palmo à frente dos olhos. O nevoeiro também acabou por esconder eventuais virtudes e defeitos da equipa de arbitragem. Se houve casos polémicos, ninguém os viu...