quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Isto é que foi ... até ja estou a sentir o sabor aos Oitavos!


assistência: --- espectadores.

árbitros: Alberto Undiano Mallenco (Espanha), Fermin Martinez Ibanez e Roberto Alonso Fernandez; José Luis Parada Romero.

Fenerbahçe: Volkan Demirel; Gokhan Gonul, Yasin Çakmak, Edu Dracena e Roberto Carlos; Josico e Emre; Deivid, Alex «cap.» e Ugur Boral; Guiza.
Substituições: Emre por Kazim Kazim (46m) e Gokhan Gonul por Burak Yilmaz.
Não utilizados: Babacan, Vederson, Bilgin, Turaci e Maldonado.
Treinador: Luis Aragonés.

FC Porto: Helton; Fucile, Rolando, Bruno Alves e Pedro Emanuel «cap.»; Fernando, Tomás Costa e Raul Meireles; Lisandro Lopez, Hulk e Rodríguez.
Substituições: Tomás Costa por Guarin (61m), Rodríguez por Mariano Gonzalez (74m) e Hulk por Pelé (79m).
Não utilizados: ...
Treinador: Jesualdo Ferreira.

disciplina: Cartão amarelo a Emre (25m), Fernando (32m), Yasin Çakmak (38m), Ugur Boral (72m), Edu Dracena (86m) e Gokhan Gonul (90m).

golos: Lisandro Lopez (18 e 28m) e Kazim Kazim (63m).
Terminado o jogo, de imediato me lembrei das campanhas de total intoxicação levantadas por alguns «colunáveis» da imprensa escrita e falada, mas não só, pois pela blogosfera, os «anónimos» que corroboravam essa tese e se tinham também eles transformado em arautos da desgraça, eram mais que as mães, tendo-se até chegado ao expoente máximo do ridículo ao catalogar, como se fosse a mais pura e cristalina verdade, que este (actual) plantel seria o “pior” dos últimos 10 anos… a esta hora, todos esses e os outros que os acompanharam nesses dislates verbais, só podem mesmo é caminhar sobre as pedras da calçada, de cabeça cabisbaixa e o rosto coberto de vergonha.

O tal “pior” FC Porto dos últimos 10 anos, chegou a Istambul, decorridas que estavam 4 jornadas da Liga dos Campeões, com a possibilidade de carimbar de imediato os objectivos mínimos, a taça UEFA… em caso de vitória, e com a ajuda do Arsenal a conseguir igual resultado na recepção ao Dínamo Kiev, a passagem aos oitavos-de-final da Liga dos Campeões ficava automaticamente assegurada. Assim dito, assim conseguido.

O tal “pior” FC Porto dos últimos 10 anos, acabou por vencer o Fenerbahçe por 1-2, com Lisandro Lopez a bisar na partida ainda na 1ª parte, tendo o golo turco sido obtido por Kazim Kazim a meio da 2ª parte, não mais se alterando o resultado até final do jogo.

Provou-se, mais uma vez, que no balneário do tal “pior” FC Porto dos últimos 10 anos, ainda mora a atitude, a raça, a crença, a forma de estar e sentir o clube, o jogar à Porto, mesmo quando não se está bem, de todos aqueles jogadores. Não são os melhores do mundo… mas (para mim) jamais serão os piores do mundo e arredores! Para mim, aqueles ou outros, serão sempre os melhores, basta serem e equiparem com as cores do (meu) FC Porto!

Mas não posso deixar de aqui lançar um ALERTA à nossa SAD para um caso paradigmático de um jogador que transporta toda a «raça» de jogar à Porto. Seu nome: LISANDRO LOPEZ. Este rapaz, enquanto jogador, tem tudo o que o FC Porto tem enquanto clube. Tem raça, tem espírito de sacrifício, tem alma, tem mística, tem crença, defende, ataca, cria, destrói, recupera, avança, cerra os dentes, come a relva, e contudo, não deixa de ser tristonho o modo de festejar nos últimos tempos, os golos que marca, procurando conter-se, quiçá até, em sinal de protesto (sempre silencioso). Outros, com menor carácter, aproveitariam estas oferendas e fá-lo-iam de outra forma menos, muito menos simpática… este, fá-lo, jogando sempre cada vez mais, com mais alma, com mais raça, com mais atitude, para o clube e adeptos, mas sempre à Porto.

Não sou um crítico da SAD, nunca fui e nunca serei, mas não é por isso que deixo de pensar que tudo o que é feito, bem feito é. Por isso, e de uma forma muito construtiva (repito, construtiva!), deixo aqui apenas uma pergunta no ar, em jeito de provocação: de que espera a nossa SAD para renovar o contrato e pagar a este jogador, aquilo que ele merece?

Por fim, e até porque estou completamente à vontade para o dizer e assumir, porque quem me conhece, sabe muito bem que nunca morri de amores pelo nosso treinador, o Prof. Jesualdo Ferreira, esta vitória, esta passagem pelo 3º ano consecutivo aos oitavos-de-final da Liga dos Campeões, esta chapada com o punho bem cerrado, dedico-a à pessoa mais atacada, mais insultada, mais caluniada dos últimos tempos, dentro do (meu) FC Porto… ele próprio, o (meu) treinador, o Prof. Jesualdo Ferreira. Enquanto cá estiver, para o bem ou para o mal, será sempre o meu treinador e apesar das minhas criticas enquanto «treinador de bancada», umas vezes justas, outras totalmente injustas, nunca deixarei, nas horas más, de lhe prestar o meu apoio incondicional e inequívoco!

Agora, vamos mas é ao jogo que é disto que o meu po(b)o gosta. O tal “pior” FC Porto dos últimos 10 anos, entrou em campo com o onze esperado, dadas as ausências certas de Sapunaru por lesão e Lucho por castigo. Pedro Emanuel ocupou a faixa esquerda da defesa, derivando Fucile para a direita, cabendo a Tomás Costa, fazer o papel de Lucho a meio campo.

Iniciado o jogo e ao longo do mesmo, tacticamente, o tal “pior” FC Porto dos últimos 10 anos, esteve irrepreensível, com uma enorme pressão a meio-campo, não deixando o adversário sequer ultrapassar a linha de meio-campo e com isso, obrigando a perdas consecutivas de bola em zonas de perigo na defensiva adversária. Muito inteligentemente, o tal “pior” FC Porto dos últimos 10 anos, foi aproveitando essas deixas para se aproximar com muito perigo da baliza contrária ao longo de todas a 1ª parte, criando diversas oportunidades de perigo iminente.

Eis que à passagem do 19º minuto, em consequência de um pontapé de canto, onde a bola é aliviada deficientemente pela defensiva adversária, Fernando recupera a bola na entrada da área e cruza para Bruno Alves, que depois de uma bela recuperação, cruza novamente para o interior da área onde aparece Lisandro acrobaticamente a aproveitar um deficiente corte do guarda-redes turco e coloca o tal “pior” FC Porto dos últimos 10 anos em vantagem na partida. Num jogo que se previa de enorme dificuldade, tínhamos conseguido o mais difícil, colocar-nos em vantagem.

Os turcos procuraram reagir ao golo portistas, mas pouco mais perigo conseguiam criar do que jogarem um futebol directo onde a defensiva azul-e-branca ia anulando com pouca ou nenhuma dificuldade.

Na aproximação aos 30 minutos da 1ª parte, no seguimento de um lançamento lateral de Fucile para a pequena área adversária, Lisandro ganha a bola e consegue bater ao segundo remate o guarda-redes turco, elevando a contagem para 0-2, o que prognosticava um jogo tranquilo para os azul-e-brancos para o que ainda restava da partida.

Logo de seguida, Tomás Costa surge isolado pela esquerda do ataque e ainda bem fora da área, executa um chapéu quase perfeito ao guarda-redes turco, e digo quase perfeito, porque a bola caprichosamente embate no poste e não entra, perdendo-se a oportunidade de ali matar o jogo.

Chegado o intervalo, os turcos iniciaram a segunda metade do jogo com outra atitude, passando o jogo a desenrolar-se mais no meio-campo portista, sem que isso significasse grande perigo para a baliza defendida por Hélton.

Ainda decorria o primeiro terço da 2ª parte, quando Hulk lançado e isolado pela esquerda do ataque não consegue bater o guarda-redes turco, gorando-se ali nova oportunidade para matar o jogo. Como quem não marca, sofre, os turcos reduzem a partida para 1-2 num lance infeliz de Bruno Alves que ao ver a bota bater na sua perna após remate adversário, faz a bola sobrevoar Hélton que nada podia fazer para anular o lance.

Este golo fortuito e contra a corrente do jogo, teve o condão de despertar e moralizar a equipa turca que continuou a tentar investir sobre a muralha defensiva dos azul-e-brancos, que pareceram momentaneamente acusar o golo sofrido e acusar algum desnorte táctico. Neste momento, o Prof. Jesualdo Ferreira, muito inteligentemente, refrescou o meio-campo, entrando Guarin, Mariano Gonzalez e Péle.

O jogo foi-se então arrastando até ao seu final, com o tal “pior” FC Porto dos últimos 10 anos a conseguir com maior ou menos dificuldade afastar o perigo da baliza defendida por Hélton.

Fim do jogo e o tal “pior” FC Porto dos últimos 10 anos, com duas vitórias fora do seu estádio em solo ucraniano e turco, conjugada com a vitória de ontem do Arsenal sobre o Dínamo Kiev, consegue qualificar-se para a fase seguinte de prova, os oitavos-de-final, deixando para o jogo final contra o Arsenal a decisão de quem fica em primeiro lugar no grupo.

3 comentários:

Tiago Araújo disse...

Isto sim!

dragao vila pouca disse...

A crónica da morte do F.C.Porto, era, como se viu, manifestamente exagerada.
Passado o período de crise, com origem, no alfaiate de Mirandela, que pareceu desorientado, a equipa portista conseguiu encontrar-se e em dois jogos decisivos, ainda por cima, fora de casa, ganhou e atingiu o objectivo de chegar aos oitavos-de-final.
Ontem, como em Kiev, o F.C.Porto conseguiu um bom jogo, com uma exibição globalmente, muito conseguida, melhor na 1ª parte que na 2ª, mas e porque mais uma vez - isso tem que ser melhorado -, não soubemos matar o jogo e mais uma vez, sofremos um golo esquesito.
Também acho que já podemos concluir: esta equipa tem carácter, tem crença, tem alma e ao contrário do que muitos apregoavam, tem qualidade.
Agora que as coisas parecem encaminhas, vamos atacar a Liga portuguesa, pois queremos e temos capacidade para isso, ganhar o tetra.
UM abraço

Vitor Daniel disse...

Já que o Benfica, o Sporting que levou 5, e o Próprio Portugal não sabe representar dignamente o nosso país, o F.C.Porto está aqui para demonstrar o que é o melhor de Portugal, mostramos classe, espirito de equipa, amor á camisola e calamos um dos piores ambientes que um equipa pode apanhar, Grande Porto.

Abraço, http://varanda-do-dragao.blogs.sapo.pt/